Participantes

 

   
Valéria Cristina Professora/Orientadora
Maicon Douglas Reis Aluno/Colaborador
   

 

Introdução

 

Esta proposta tem como plano de fundo o processo de expansão e interiorização do ensino superior público por meio do Programa de Apoio e Reestruturação das Universidades Federais - REUNI. Busca conhecer a condição estudantil dos estudantes universitários do Bacharelado em Ciência e Tecnologia do Campus do Mucuri – BC&T/CM[1] e utilizar tais dados  para fomentar a Formação Continuada de professores da Rede Pública Estadual de Teófilo Otoni.

O Campus do Mucuri, com sede em Teófilo Otoni/MG, é um dos campi da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, criada em 2005 por meio da Lei 11.173, de 06 de setembro de 2005, no processo conhecido como “expansão I” do ensino superior público. As atividades do campus iniciaram-se em 2006, com a oferta dos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Licenciatura em Matemática e Serviço Social, da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Exatas - FACSAE. Em 2009, por ocasião da adesão da UFVJM ao REUNI, com a criação do Instituto de Ciência e Tecnologia do Mucuri – ICTM, passou a oferecer o Bacharelado em Ciência e Tecnologia – BC&T.

O ICTM é constituído por um grupo multidisciplinar de mestres e doutores com formação nas áreas de Física, Química, Biologia, Matemática, Computação, Ciências Sociais e Letras. Em relação às atividades de Ensino, tais profissionais ministram aulas no BC&T. Este curso foi criado pela UFVJM e regulamentado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE (Resolução Nº 20, de 27 de agosto de 2008), é um curso de caráter multidisciplinar que visa formar um profissional com conhecimento das diversas áreas das Ciências Exatas, além de disciplinas das Ciências Biológicas. Com uma duração de três anos, tal bacharelado conferirá aos graduandos, de acordo com seu Projeto Pedagógico, um diploma que os habilitará a:

 - Apresentar-se ao mercado de trabalho como cidadão de nível superior, dotado de visão atualizada da dinâmica científica e tecnológica na sociedade moderna, bem como de base analítico-conceitual necessária para futura profissionalização.

- Fazer um dos cursos de profissionalização em Engenharia da UFVJM, dentre eles Engenharia Civil, de Produção, Hídrica, Mecânica, Química e de Alimentos, com duração mínima de dois anos ou de outras IFES como, por exemplo, os cursos ofertados pela Universidade Federal do ABC (UFABC).

- Candidatar-se a cursos de pós-graduação na UFVJM ou em outras IFES.

A cada semestre letivo, 120 alunos ingressam nesse curso e são divididos em duas turmas de 60 alunos. As aulas da primeira turma iniciaram-se no primeiro semestre de 2009. Até o momento, não se tem nenhuma pesquisa sobre esses estudantes e seus percursos na universidade. Neste curso, percebe-se, no entanto, um alto número de estudantes com rendimento acadêmico muito baixo, algo que é justificado pelos professores como consequência da defasagem de conhecimentos em relação aos que deveriam ter adquirido no Ensino Médio. Considerando-se tal hipótese, os resultados desta pesquisa irão fomentar a formação continuada de professores da Rede Pública Estadual de Teófilo Otoni na tentativa de se propiciar condições de melhoria na formação dos estudantes oriundos desta cidade que chegam ao curso.

A formação continuada pode ser entendida como um processo que envolve diferentes  momentos de reflexão desenvolvidos após a formação inicial, durante a trajetória profissional dos professores, organizada com o objetivo de garantir melhorias no trabalho docente e na qualidade do ensino. Ela deve possibilitar a re-significação dos conteúdos específicos de áreas presentes no currículo escolar, a reflexão crítica sobre esses conteúdos e a possibilidade de constituir-se um espaço de aprendizagem e troca de experiências, tendo em vista que a aquisição de conhecimentos por parte do professor é um processo amplo e não linear. 

Em uma sociedade democrática, o educador não ocupa a posição de um sujeito executor de técnicas e normas prescritas, ele é um sujeito que toma decisões educativas, éticas, morais e que participa ativamente da construção do currículo, em contexto determinado, que elabora e desenvolve projetos e materiais didáticos, em colaboração com os seus pares.

A formação continuada é um direito do professor, inclusive assegurada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), em seu Artigo 63°, Inciso III:

 

Art. 63º. Os institutos superiores de educação manterão:

I - cursos formadores de profissionais para a educação básica, inclusive o curso normal superior, destinado à formação de docentes para a educação infantil e para as primeiras séries do ensino fundamental;

II - programas de formação pedagógica para portadores de diplomas de educação superior que queiram se dedicar à educação básica;

III - programas de educação continuada para os profissionais de educação dos diversos níveis.

 

O Ministério da Educação e Cultura (MEC) também reconhece a importância do processo de formação continuada e instituiu, em 2004, a Rede Nacional de Formação Continuada de Professores, criada com o objetivo de contribuir para a melhoria da formação dos professores e alunos. O público-alvo prioritário da rede são professores de educação básica, diretores de escola, equipe gestora e dirigentes dos sistemas públicos de educação.

Além do MEC, no momento atual, diferentes instituições como, por exemplo, outros órgãos públicos, sistemas privados de ensino, sindicatos, organizações de docentes e até as editoras de livros didáticos têm investido na formação continuada de professores. Esses investimentos, no entanto, ainda são reduzidos em relação à necessidade apresentada nesse campo.

Algo que pode contribuir muito no processo de formação continuada de professores são as ações de extensão voltadas para essa formação, inseridas na área temática Educação. Por meio da extensão, o conhecimento acadêmico não se torna estático, mas está sempre num movimento no qual a relação teoria e prática é contínua. Por outro lado, a extensão pode contribuir de forma significativa com a melhoria da qualidade do ensino, por meio da difusão de conhecimentos e integração entre sociedade e universidade.



1 Este projeto é parte de uma proposta de pesquisa sobre condição estudantil e projetos de futuro de jovens universitários da UFVJM

 

 

Objetivos

 

Analisar a condição estudantil do estudante universitário do Bacharelado em Ciência e Tecnologia do Campus do Mucuri e utilizar tais dados para fomentar a Formação Continuada de professores da Rede Pública Estadual de Teófilo Otoni.

 

Em termos de Pesquisa, os objetivos específicos desse projeto são:

 

a)      Traçar o perfil social, econômico e cultural dos estudantes do curso de BC&T do Campus do Mucuri;

b)      Conhecer a condição estudantil do estudante do BC&T do Campus do Mucuri;

c)      Identificar os fatores de permanência/evasão no/do curso;

d)     Mapear as principais dificuldades encontradas pelos estudantes para terem bom rendimento acadêmico no curso.

 

Quanto à Extensão Universitária, os objetivos específicos desse projeto são:

 

e)      Identificar um conjunto de trinta professores de escolas públicas de Teófilo Otoni que ministrem aulas de Matemática, Língua Portuguesa, Física, Química e Biologia interessados em participar de cursos de formação continuada;

f)       Realizar encontros para discussões sobre conteúdos da estrutura curricular do Ensino Médio e também sobre a maneira de se produzir os mais diversos materiais didáticos;

g)      Orientar os professores participantes na elaboração de projetos, feitos em grupo, sobre um tema comum, sendo meio ambiente o primeiro, que contemplem a preparação de materiais didáticos, atividades e textos para o ensino do referido tema;

h)      Auxiliar os professores na aplicação e avaliação dos projetos preparados em sala de aula;

i)     Promover aos professores a oportunidade de compartilharem os resultados obtidos com os demais colegas participantes desse processo de formação continuada.

     j)      Orientar os professores na redação de textos a serem submetidos à avaliação para a apresentação na reunião anual da ANPED (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação).